domingo, 31 de agosto de 2014

Poe minha...



Veja ilustre passageiro, o belo tipo faceiro 
que está nessa imagem. 
Apesar de toda maquiagem, toda malandragem, 
toda a sacanagem, ele virou compostagem. 
Não adiantou o botox, a lipo e a tatuagem.
Nem a bela carruagem. 
A grana e a trama. 
A prudência ou a libertinagem. 
No fim somos todos iguais. 
Se lhe incomoda a imagem, deixe de bobagem. 
Deixo uma mensagem: no meu enterro não quero fuleiragem. 
Simplesmente botem fogo no que restar após minha passagem. 
E quanto as cinzas, destinem a adubagem...