segunda-feira, 19 de junho de 2017

Ode a Iván Fandiño

Montagem: Foto do quadro Guernica (Picasso,1937) com imagem de Iván Fandiño ferido mortalmente (AFP Photo,2017).

Ode a Iván Fandiño

Morreu Fandiño.
Vá correr entre nuvens,
Tourear relâmpagos,
Espetar no dorso de nuvens negras
Bandarilhas de estrelas e cometas!
Estás mais perto agora...
Do lugar onde habitam os corajosos.
Livre dos que gostavam do insosso,
Dos que detratavam tua arte.
Mas há os que lamentam tua morte,
E, mesmo assim, com pena da partida,
Reverenciam quem te venceu, dessa vez.
Quem entende tua arte,
Ancestral como o homem,
Não reverencia a morte.
Nem de um, nem de outro.
O embate na plaza
É sempre justo.
E não há, ali, inimigos.
Duas criaturas em suas naturezas.
Viris e selvagens.
Como a vida.
Onde ambos em combate,
Vencedor e vencido,
Reverenciam seus deuses.
A morte não escolhe simpatias.
Nem há menos desonra
Para quem fica ou parte.
O ritual há muito pode ter se perdido,
Ou é ignorado...
Por quem tem os olhos castrados.
Loucos e sádicos,
Comemoram tua morte
Como se fosse um ato de justiça.
São os que fecham os olhos
Para mortandades maiores.
Para além dos matadouros,
Com seus pisos lavados em sangue.
Milhões de rezes, muitas tenras ainda.
Morrem, para satisfazer a carne.
Sem sacrifício ou oferenda.
Gente que se importa com bicho,
E deixa morrer os semelhantes.
Há guerras sem fim,
Mas se importam com um touro.
Se empanturram de carne,
Assistem às guerras,
Sentados à sala de comer.
Seus pratos cheios e as cabeças vazias.
Reclamam que o naco está duro,
Ou lhe falta o sal.
Depois, no café, reclamam do açucar.
Olhando a tela tétrica,
Com a pança cheia,
Os milhões que tem fome, pela guerra.
As crianças vagando, magras.
Órfãs de batalhas que não entendem.
Vai Fandiño...
E de onde estiveres,
Distrai com tua capa amarela e encarnada,
Os senhores da guerra.
E como fazias tão habilmente,
Espeta-lhes o torso com três bandarilhas:
Uma pelos inocentes que mataram,
Outra pelos que sofrem semivivos
E outra pelos que tombaram,
Em defesa dos que sofriam tiranias.
Para que com elas despertem,
E sintam com toda a força
A estocada final.






segunda-feira, 12 de junho de 2017

Espera por ela...

Foto: Marcelo Ruiz

Mais um Dia dos Namorados...em tempos de tanta violência de gênero e de orientação sexual, falta o respeito ao outro como Ser Humano. Para além de gêneros e identificações, a todos nós faltam a tolerância, o amor, e, no mínimo a solidariedade e empatia. O poema abaixo, de Mahmûd Darwîsh, poeta palestino que foi apaixonado por uma israelense, é dedicado a todas as mulheres e homens de todas as cores, sabores que ainda sofrem violências e constrangimentos, estando com ou sem namorado ou companheiro, que muitas vezes são os piores agressores. E aos que ainda agridem que é diferente de si por ser no fundo um covarde, gostaria que pudessem ler isso e entender, no mínimo, que a companheira ou companheiro, que o estranho na rua que se veste diferente ou pensa diferente não é inimigo. Cada um é especial à sua maneira e merece ser esperado e tratado com carinho e acolhimento, exatamente como faria um amante à espera do seu amor na alcova...

domingo, 11 de junho de 2017

Corrupto e desonesto no Brasil é sempre o outro!



Aqui no Brasil as coisas não funcionariam tão bem quanto na Dinamarca porque aqui não existem corruptos. Ninguém se considera como tal. Mais fácil apontar o dedo pro outro. Os políticos ladrões, ro açougueiro que rouba no peso, a "faxineira" que faz corpo mole apesar da "fortuna" que recebe. No Brasil, corrupto é sempre o outro. Nó? Nunca. 

Nunca exploramos empregados domésticos ou prestadores de serviço, nunca dirigimos falando ou teclando ao celular, não dirigimos que nem loucos, não escondemos do fisco algumas receitas que "achamos justo" não declarar, não damos um jeitinho pra tirar vantagem em situações tolas e enfim, em um monte de pequenos ou grandes delitos do cotidiano. Isso pra nós não é corrupção ou desonestidade. Desonesto? É sempre o vizinho...

Todos reclamam do peso dos impostos e do custo da máquina pública. Com razão. É uma das mais caras e cheias de privilégios do mundo. Mas basta abrir um concurso público que aparecem quinhentos mil na fila, ávidos para encontrar "seu lugar ao sol" na boquinha, na teta, na moleza. Poucos se dão conta - ao falarem que querem entrar pra "trabalhar direito" - que ao chegar ao tão sonhado cargo, em um ano estará tão aboletado nas tramoias quanto os que lá estão. É o sistema, diria o Capitão Nascimento. 

Aliás falando em polícia.. tudo ladrão! Dizem sempre isso não é? Pois temos por cá, nestas terras esquecidas por Deus e o Cão, o infeliz hábito de generalizar tudo, de relativizar quando nos convém e de procrastinar sempre. como já disse outro, o Brasil não é para amadores. E um outro, completou: não dá certo porque aqui puta se apaixona, cafetão tem ciúmes e traficante se vicia. E tocamos a vidinha besta de sempre...

domingo, 4 de junho de 2017

Revoltado estou eu com o nível do jornalismo...

Roger Waters em foto publicada na Veja disponível em http://veja.abril.com.br/blog/veja-recomenda/roger-waters-quebra-jejum-de-25-anos-com-disco-amargo/ com a legenda: "Roger Waters, ex-vocalista do Pink Floyd, lança o revoltado álbum 'Is This The Life We Really Want?" (Reprodução/Facebook)".

O jornalismo vai mal no Brasil... esse veículo nem se fala... Dou de cara com uma chamada para matéria sobre o novo álbum do Roger Waters e cliquei por conta do cabeçalho da reportagem...se é que se pode chamar assim. A editora de entretenimento começa assim: "Em Is This The Life We Really Want?, Roger Waters faz The Wall (1979) parecer cisma de criança..." Como assim? Li o restante mas não entendi. Aliás o restante são mais meia dúzia de linhas mal escritas. A moçoila, jornalista do alto dos seus vinte anos - sim, já usa o título de uma formação que mal começou e só vai terminar somente em 2019 - ainda demoraria 18 anos pra vir ao mundo quando The Wall foi lançado, então porque a 'cisma de criança"? Seria algum trauma com paredes? De qualquer forma, a jornalista segue o texto classificando a obra como "amarga e pessimista", comparando-a ao último trabalho de Leonard Cohen. Estou escutando a terceira vez seguida o álbum e gostei muito. Um Roger tão "pinkfloideano" como ele nunca foi. Retorna às origens da banda que ele quase conseguiu acabar. Mas voltando à cisma da Mabi, o que ela esperava de uma lenda? O cara nasceu no meio do bombardeio de Londres na Segunda Guerra, cresceu, trabalhou, criou e denunciou por cinco décadas os absurdos da guerra e da sociedade contemporânea indo da política a educação. Claro que é amargo. Aliás, nesses dias de glitter e purpurina, onde a garotada acha que a vida é uma rave interminável, quem tem um mínimo de senso e um punhado de neurônios ainda funcionando bem só pode sentir amargura e desesperança ao ver o mundo piorar a cada ano. E essa leitura, com as famosas mixagens de sons incidentais do PF, está de volta com toda força nesse novo trabalho do jovem Roger. E a Mabi Barros ainda vai ter que gastar muita ponta de dedo escrevendo para poder opinar sobre o que não conhece direito e não viveu.


quinta-feira, 18 de maio de 2017

Não verás país nenhum...

Cena da capital do Haiti dias após o terremoto de 2010. Fonte: https://www.britannica.com/event/Haiti-earthquake-of-2010

No dia 12 de janeiro de 2010 às 16:53 o Haiti foi sacudido por um terremoto de magnitude 7 MW que destruiu grande parte da capital e outras cidades ao redor. Desde essa data, o país, que já vinha de uma longa história de um governo corrupto e ditatorial, nunca mais se reergueu. Simplesmente os fundamentos da Republica, como alicerce de uma nação e povo se extinguiram. Hoje, apesar de anos de ajuda humanitária, econômica e intervenções de paz - da qual o Brasil é país que lá está ha mais tempo comandando a equipe da ONU - apesar de se realizarem eleições diretas e tentativas de tornar o país autônomo, a coisa toda não anda. O Brasil sofreu hoje mais um grande terremoto. Só que ao contrário do seu congênere, causado pelas forças da natureza, esse era previsto e esperado. Mas o fato é que a cada réplica do abalo vai ficando mais fraca a esperança de haver sobreviventes sob os escombros. Não temos e nem teremos mais país nas próximas décadas. O grau de estrago significa uma coisa: não estávamos preparados para terremotos. As construções sempre foram fracas e os planos de emergência nunca existiram ou se tal , não saíram do papel. Como disse Ignácio de Loyola Brandão "Não Verás País Nenhum"...

Uma linda mulher...

Chelsea Manning em seu segundo dia de liberdade. Fonte: https://twitter.com/intent/follow?screen_name=xychelsea

Chelsea Elizabeth Manning pode hoje entrar em qualquer lista do tipo "as dez mulheres mais influente do mundo". Sempre teve meu respeito e admiração, desde quando, ainda com a identidade de soldado do exército dos Estados Unidos da América, quando era conhecido como Bradley Edward Manning, teve a coragem de vazar documentos secretos da CIA (no chamado caso Cablegate) para o Wikileaks. Não foi a única. Ela e outros que tiveram a mesma bravura - mostrar a podridão dos bastidores do país mais poderoso do mundo - enfrentam a ira de governos mundiais, julgamento da opinião pública, vida em exílio (como Edward Snowden) ou o refúgio diplomático (Julian Assange).

sábado, 13 de maio de 2017

Acendam-se as fogueiras, mudem as leis ou os preconceitos.

Dois presos e uma medida: não queremos corrigir. Apenas vigiar e punir. Fotomontagem com arquivos disponíveis na web. 

Não estou julgando os apenados e nem os responsáveis pelas suas saídas intermitentes. Me atenho aos fatos e a Lei. Os crimes que praticaram foram julgados e as penas fixadas. Um já com sentença definitiva e quase ganhando a liberdade condicional. Outro julgado em primeira instância aguardando recurso. Os dois – pelas leis brasileiras – tem direitos distintos à liberdade provisória.

Um pelo tempo já cumprido e pelas prerrogativas legais tem direito ao regime semiaberto e a saídas nas datas determinadas pela lei. A não ser que caiba dizer que o juiz ou conselho concedente ou o próprio apenado estão burlando a lei. E não parece o caso.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

A arte de Grace e a graça da Arte.

Capa do primeiro EP da artista. Fonte: Google. 

Ok... ontem (ainda agora...) foi dia do artista plástico e eu queria ter postado algo além da lembrança da data. Mas saiu só agora. Muito se faz as perguntas clichê "O que é arte?" e "Quem é Artista" seja de qual arte for. E essa mocinha talentosa - Grace VanderWaal - nos ajuda a entender e responder às duas perguntas anteriores. Eu costumo colocar essas questões de maneira diferente, perguntando o que É o artista e Quem é a arte. 

Tudo uma questão de relativizar. Tanto que apenas inverto o uso dos pronomes relativos nas duas questões. Com isso pretendo, para fins de incitar mais do que responder (se me perguntam), despersonalizar o agente e dar status de ente vivo à sua criação. Porque trata-se apenas disso. O artista está posto no mundo como ente humano, mas transcende essa dimensão. Não podendo, portanto, ser rotulado ou en-caixado É imanente, assim como sua arte. E é separado de sua obra apenas pela vontade do outro, que atribui a ela uma suposta vontade de existência indivi-dual . Um poder estar de pé per se que a faz ter existência própria à revelia do criador.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Um videoclipe diferente e excelente...


Aos colegas de profissão e afins... deem uma olhada em Fairy Dust da TLo... primeiro de uma série futura de quatro curta-metragens que a cantora e produtora pretende realizar. Não sei se inaugura, mas é uma proposta bem interessante no universo dos video-clips musicais, já que ultrapassa a barreira da duração da música-título e segue por 31 minutos, encadeando a ação com as 5 primeiras músicas do album recém lançado e apresenta uma inédita. Extremamente sensual e sexual, não tem nada explicito. Não há nenhuma cena de nudez também. O que o torna mais interessante. A fotografia é muito boa, assim como o áudio (com vários takes com som direto - o que aprecio muito...) Sem efeitos especiais, tipo "puta-que-pariu-nas estrelas", valoriza o movimento da câmera em longas e bem estudados plano-sequencia. Sempre digo que simplicidade e qualidade é a chave pra não errar.

A famosa "loura sueca" ...

Fonte: https://www.instagram.com/p/BQdVy4JjzT9/?taken-by=tovelo


Para os amigos machos empedernidos de plantão... (não sou um deles...) Lembro de crescer escutando os caras mais velhos falando e fazendo piadas da loura sueca... alias ela era uma espécie de mito da sexualidade masculina, motivo de charges e crônicas. Uns quarenta e tantos anos depois a "loura sueca" ainda não perdeu a fama de mulher sedutora.
Mas não se animem velhos amigos machistas e misóginos. A loura continua gostosa pra car*lho porém é independente, ativista da igualdade de gêneros, estourou na música por ter linguagem artística própria e ir fundo nos problemas de sua geração nas letras nem sempre ácidas mas verdadeiras.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Deslumbra-se o tolo...


Triste ver pessoas deslumbradas... me parece gente de pouca luz. E se a alma não brilha, tudo ao redor ofusca. Melhor seria que as pessoas mostrassem seu vislumbre, quallidade intrínseca aos que compartilham a própria luz...

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

O amor em tempos de cólera(*)...

Fonte: Twitter/Divulgação


Sim...gosto muito dessa foto! Não por idolatrias. Não por preferências políticas. Mas alem da qualidade técnica e estética da imagem, pelo que ela representa no campo abstrato das relações humanas. Sim Marisa Letícia representa a mulher brasileira. Com defeitos e virtudes. São muitas galegas, de todas as cores e gêneros que fazem o perfil da brasileira. Não sei se me engano, mas a imagem me passa cumplicidade, amor e companheirismo. No melhor sentido que se pode dar a elas. Os pejorativos deixo aos que odeiam sem racionalidade. Marisa representa a mulher que casou com seu homem por paixão e até por idealismo. Com certeza não foi por dinheiro. O cônjuge embora já relativamente famoso, não era rico. E o que ela podia esperar naqueles dias era perde-lo assassinado ou sumido como muitas perdem até hoje. Ela representa a mulher que segue na dificuldade de criar filhos sozinha, dando espaço às ausências do marido. Seja por qual motivo for. Representa a companheira que luta ao lado e não desiste fácil aos primeiros revezes. Como mulher vaidosa, representa tantas outras que, tendo visto a beleza da juventude sucumbir com o passar dos anos, procura melhorar assim que melhora de vida porque tem autoestima. Representa a mulher que consegue manter, seja lá por qual razão de foro íntimo, o casamento e a familia por décadas. E mesmo na adversidade, seja qual for, incondicionalmente está ao lado do companheiro. Para ter representatividade não precisa ser a melhor, a mais bonita, educada, ou mais rica. Os não racionais - e há muitos - encontrarão no ódio, na falta de discernimento e inteligência, no fanatismo político, campo fértil para exercitar suas frustrações e sentimentos corrompidos. Certamente vão odiar também esse texto. Mas o campo do que aqui está escrito não reside no mundano. Falar de amor em tempos de cólera (*citando Márquez,G.G.-1985) é difícil mesmo...

Perdas e danos...

Marisa e Luiz Inácio no dia do casamento em São Paulo, 1974. Fotógrafo ignorado.



É muito triste perder alguém com quem se conviveu muitas décadas. Mesmo que o amor tenha se transformado em qualquer outra coisa que não fosse o ódio. E talvez até nele, haja desespero. Perder a parceria de uma vida quase toda dói em qualquer um. E me parece que ao homem maltrata mais. Não que a mulher se importe menos. Mesmo sem admitirmos, somos mais carentes e dependentes delas. Desde a nossa gênese. Ninguém deveria perder seu amor. Não importa o que sejam os amantes. Não vejo aqui sujeitos ou personagens. Não me importam. São entidades a serem julgadas pelos homens e pela história. Mas quem falará da paixão e do amor dessas pessoas? E de tantas outras que perdem o que lhes era mais caro? É muito difícil ficar sem nosso amor de tantas travessias. Em todas as nossas alegrias e misérias não haverá nada mais belo ou mais triste. Só o destino pode nos impor, em sua frieza matemática, castigo tão cruel.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Jornalismo REDOX...

Sidnei Ramis de Araújo com o filho (disponível em http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/01/1846341-pai-do-atirador-de-campinas-diz-que-filho-era-timido-e-retraido.shtml) fonte: Reprodução/Facebook

O "atirador" também foi vítima. A família dele tão vitimada e sofrendo quanto a da ex-mulher e os familiares dela que ele matou antes de tirar a própria vida. Assassinos seriais ou terroristas dificilmente tiram a própria vida. Tentam sempre escapar da cena do crime. Se matam em ultimo caso quando se vêem encurralados. O objetivo deles é escapar para cometer mais crimes. Esse rapaz tinha emprego fixo, familia e nenhuma passagem pela polícia. Estava há cinco anos separado da mulher e do filho. Procurou ajuda da justiça, onde foi parcialmente atendido. Mas não procurou ajuda psicológica para superar os conflitos. Nem a família sabia que estivesse tão doente e desequilibrado. Nada justifica o que ele fez. Mas o descaso da sociedade e da Justiça explicam o fato.

domingo, 1 de janeiro de 2017

Um alerta... na verdade um chamamento à reflexão.

João Victor Filier de Araújo, morto pelo próprio pai em Campinas (fonte: UOL/Reprodução/Facebook)
Não vou emitir julgamento e nem comentar sobre essa tragédia familiar ocorrida na virada do ano. Mas 13 pessoas, incluindo o autor, perderam a vida. O que está havendo com a sanidade de nossa sociedade? Li o que já foi publicado na mídia. Vejo muitas lacunas que provavelmente serão elucidadas. Mas nada do que se descobrir trará essas pessoas de volta. O culpado não será punido. Já está morto. Mas existirão outros culpados? Talvez. A mídia e a sociedade farão o que se espera. Condenando um mostro e vitimando mais ainda as vítimas. Não resolverá o problema. 
Meses atrás aqui e no exterior aconteceram três casos seguidos de pais que se mataram junto com os filhos. O que está havendo?

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Elize Matsunaga e a misoginia

Elize Matsunaga quando ainda era garota de programa (Foto: reprodução) 



Terminado o julgamento, um júri sonolento e cansado, depois de uma semana enfadonha, composto de quatro mulheres e três homens, condenou a ré a dezenove anos e onze meses de reclusão pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver. Pena dura. Muito dura. Fosse ao contrario, o marido fanfarrão e milionário, talvez tivesse saído pela porta da frente do fórum em liberdade. Mas não. Elize era mulher. Pior, era uma garota de programa que resolveu mudar de vida. Nem suas congêneres no júri perdoaram-lhe o atrevimento. Casamento é lugar para moças de família.

Elize Matunaga era moça de família. Família pobre. Elize foi esposa e é mãe. Elize era tão moça pra casar quanto qualquer outra. Deu azar de conhecer o homem errado. A promessa que fez de lhe tirar da vida difícil durou pouco. No mesmo bordel onde a conheceu sete anos antes, já estava procurando outra putinha aborteira para brincar de maridão. Por coincidência a nova vítima foi colega da esposa. Quase vinte anos de reclusão é muito tempo de sentença em um país onde gente como Marcelo Odebrecht e outros da mesma laia, “matam” milhões e pegam penas irrisórias e ficam reféns de tornozeleiras eletrônicas duvidosas.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Meu amigo norueguês


Lefse Sløttsstèk é um jornalista norueguês que vive no Brasil há três anos. Correspondente de um periódico de Oslo, capital da Noruega. Logo pela manhã sou acordado pelo seu telefonema. Não fosse o nome na tela do meu celular, o sotaque inconfundível já me avisava quem ligava tão cedo. Lefse fala razoavelmente nosso idioma, embora ainda se confunda com os neologismos e gírias. Sempre me pede ajuda. Mas a dúvida de Lese hoje era sobre o nefasto acidente ocorrido na Colômbia.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

O Luto dos Vivos

Infelizmente vivemos tempos onde pessoas são descartáveis. Na mídia, exemplos diários de celebridades, queiram ou não formadores de opinião, que se separam e uma semana depois já aparecem em outro relacionamento. Isso quando não aparecem com outra pessoa ainda em uma relação anterior. Direito e arbítrio de cada um? Sim. Absolutamente. Comportamento de risco e potencializador de tragédias? Certamente.

Se vivemos a era das relações frívolas e descartáveis, se eu sou descartado como coisa, posso também descartar o outro como se coisa fosse. Muitas vezes de maneira passional, violenta e trágica. Nesses tempos de pressa para tudo, não há mais lugar para o luto. Nem o da morte natural e nem o do fim das relações.

Perder alguém vivo também nos faz passar pelo luto. Essa morte em vida requer tempo de sofrimento, de aceitação e de recomeço, Se não ha esse tempo, onde estão presentes a dor da perda, o medo da solidão e a incerteza do futuro, a vida não pode seguir o rumo natural. Sem o luto, não há renascimento. Somente um ciclo  de agonia, frustração, desespero e medo.

Nos casos mais patológicos sobrevêm a amargura, o rancor, o ódio e o sentimento cruel da vingança. A passionalidade toma conta e as tragédias acontecem. São as mesquinharias da execração pública, a vingança através da alienação parental, a violência verbal e física, muitas vezes culminando com a tragédia do suicídio ou a loucura do assassinato.


Não se trata de justificar nada. De defender partes ou gêneros. Tragédia consumada, não adiantam os comentários acalorados, os linchamentos públicos ou reais. A busca dos culpados. Se a sociedade funciona, a lei será aplicada. Para apaziguar, decidir e punir. Mas se o debate isento, que leva ao estudo e identificação das causas não acontecer, se as mudanças necessárias não se processarem no tecido social, as tragédias dessa era de solidão e egocentrismo continuarão a acontecer e se multiplicar até o ponto do descontrole total e da perda de nossa condição humana.

domingo, 2 de outubro de 2016

Viver com pouco...

Foto: O RAUL DE COPA. Marcelo Ruiz., 2016 - RJ. 
Viver com pouco é perigoso.
Esperança de mais.
Viver com muito também.
O muito não completa.
Muito ou pouco, o vazio está lá.
A agonia do muito ou pouco.
Espreitando.
Entendo os que vivem na rua.
 Não com pouco. Com nada.
Aqueles que vagam nas ruas.
Só com o vazio, que o nada pode conter.
Trapos ambulantes.
Olhares além.
Num mundo que não se vê.
Falando coisas desconexas.
Ausência de um sentido que não há.
Depois emudecem.
Esquecem o nome.
E o nome das coisas.
Se comem é instinto. Sem fome.
Quando dormem é cansaço. Sem sono.
Não se recolhem. Apenas ficam.
Basta um oco ou vão de porta, um buraco.
Onde lhes caibam.
Deixam o corpo ali. Sem medo.
 Nada a perder. A vida se foi.
O que fica é um pulsar límbico.
Como o coma.

Sem a cama...