sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Sempre as mesmas histórias...

Link para a matéria citada: https://istoe.com.br/policia-prende-suspeito-assassinar-jovem-durante-carona/
Mais uma mulher assassinada. Mais um crime premeditado. Mais um latrocínio. Mais violência. Mas descaso das autoridades e ineficiência do Judiciário. Velhos enredos para criar estórias novas. E tristes. Quando mudaremos o curso das coisas?

Uma moça jovem, 22 anos, combina uma viagem em um aplicativo de caronas pela internet. Mais um golpe. O assassino fingiu que se tratava de um casal e combinou a viajem. No ponto de encontro apenas o homem apareceu. A mulher, mesmo assim aceitou levá-lo. Não foi longe. No meio do percurso mais dois comparsas ajudaram a estuprar, matar e roubar a jovem.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Violência contra a mulher: há o outro lado da moeda..

Atercino Ferreira de Lima Filho, 51 anos, condenado injustamente tenta provar que é inocente. Foto: Reprodução da Folha de São Paulo
Sim, os números ainda são alarmantes. Há muito ainda que fazer para acabar com o feminicídio, a violência contra a mulher, os números alarmantes de estupros e a desigualdade de condições de emprego e renda entre mulheres e homens no Brasil e no mundo. Mas é preciso pensar que toda moeda tem dois lados. Que injustiças também são cometidas contra os homens em nome da punição severa que a situação requer. Juízes, promotores e delegados de ambos os sexos e um sistema judiciários pressionado pela opinião pública, por milhares de processos que se amontoam nos fóruns, pela urgência em resolver as causas e mitigar o problema, acabam cometendo erros.

A doutoranda Olivia devia vir de férias ao Brasil...

No Brasil que vê o sol nascer quadrado as vezes vive menos ansioso do quem levanta antes dele pra ganhar a vida honestamente. Fonte da imagem: Getty Images
Saiu na BBC Brasil. Matéria alertando que mais de 13 milhões de brasileiros, eu incluído, sofrem de ansiedade. O artigo original pode ser lido clicando aqui. Segundo a OMS, o Brasil tem cerca de 6,4% da população sofrendo do mal. O número é quase o dobro da média mundial. Fico me perguntado o porquê. Afinal o país é a terra da alegria, do carnaval, do futebol e da alegria. Turistas que vêm para cá se encantam com o jeito descontraído e informal da nossa gente.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Sobre sustentabilidade, distribuição de riqueza e sapatos...

Sapateiro ensinando o ofício a um aprendiz. Foto: Autor ignorado.
Conversava com uma amiga, durante um agradável café, sobre hábitos de consumo e preço das coisas. Particularmente itens que tem preços mais altos em virtude de marca ou fama. Ela me mostrou um belo par de sandálias, em estilo retrô  azul marinho, que estava usando. Foram feitos sob medida e por encomenda. Me dizia que foram caros. Perguntei a ela se teriam sido mais caros que um modelo caro de uma dessas marcas famosas de sapatos femininos. Me respondeu que seriam o dobro do preço.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Lucrando com as mazelas... favela-commodities


Mais um caso de assassinato na favela. Mais uma vez a PM mata. E segue a cantilena de sempre. Por quarenta e oito horas a notícia vai alimentar feeds de notícias e manter a audiência em alta nas redes de TV. Especialistas serão ouvidos, discursos vazios serão proferidos pelos habituais representantes do poder público e da sociedade civil. Depois tudo acaba. Uma nova tragédia deve ocupar o vácuo deixado. Tragédia dá lucro e muita gente ganha.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

O nu na arte, na minha arte...

Fotografia da série "Não me olhe assim desse jeito..." (Brasília, 2004). Foto Marcelo Ruiz

Para mim, como artista/fotografo, um corpo nu e apenas um amontoado de argila, material que usamos para esculturas, seja para fazer um molde que posteriormente será usado para fundir a peça definitiva em bronze ou cozido em altas temperaturas para se tornar a escultura em si. No contexto do meu trabalho, um corpo nu é apenas um suporte, um material onde vou expressar meu pensamento/desejo/motivo em realizar determinado trabalho.

domingo, 8 de outubro de 2017

Exclusão social, violência e desamparo não são exclusividade de um gênero.

Artigo original disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/10/1925287-de-advogado-a-professor-diplomados-viram-moradores-de-rua-em-sao-paulo.shtml


Reportagem  bastante perturbadora publicada na Folha SP em 08/10/2017A matéria cita uma pesquisa realizada em 2015, na cidade de São Paulo, pela FIPE, informando que nesse ano haviam cerca de 16 mil pessoas sem teto. A matéria focou nos que, dentro desse universo, tem formação superior, já foram comerciantes, empresários e empregados com carteira assinada. Escolheram cinco homens, moradores de rua, com esse perfil diferenciado, para representar um universo provavelmente bem maior que as estatísticas oficiais. 

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

O QUE ESTÁ HAVENDO NO BRASIL (E NO MUNDO)?????

Interior da creche de Janaúba que foi incendiada nesta quinta (5) (Foto: Natália Jael/Inter TV Grande Minas)

Tempos atrás eu publiquei um artigo sobre as ideologias sub-repticiamente veiculadas em séries de televisão americanas (ou de outras nacionalidades). Falava especificamente do seriado Walking Deads (lançado em 2010), que teve uma estrondosa audiência. O momento social do lançamento não poderia ser mais propício ao sucesso. Afinal, a crise de 2008 iniciada nos Estados Unidos em 2008 já havia contaminado todo o sistema financeiro mundial. Menos o Brasil, que segundo o governante da época, seria apenas uma marolinha.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Mulher pelada na arte pode...homem é pedofilia...gente hipócrita!


Na imagem: Cartaz do coletivo artístico feminista Guerrilla Gils, fundado em 1885 nos Estados Unidos. 
"Uma grande questão para os museus hoje em dia é: daqui a 100 anos, se tudo o que eles tiverem for o que esses bilionários doaram para eles, ou doaram para eles agora, isso não vai ser realmente uma história da arte. Será uma história dos mesmos poucos artistas. E nós sentimos que isso não é a história da arte — é a história da riqueza e do poder. Museus necessitam fazer tudo o que estiver ao seu alcance para colocar em exposição uma variedade muito maior de artistas, colecionar a história inteira da cultura que eles dizem representar." (Kathe Kollwitz, uma das fundadoras do grupo)

O grupo feminista Guerrilla Girls, que há trinta anos faz arte engajada em denunciar o modelo machista de domínio da sociedade , não apenas nas artes, vai fazer sua sua primeira exposição individual no Brasil no MASP (SP) a partir do dia 29 de setembro. Estará aberta mais uma temporada de embates, conflitos, críticas e ódios velados e explícitos. O trabalho delas é sempre forte na crítica social e chocante algumas vezes. Então quem é do bem, corre lá pra prestigiar as meninas. E quem é do mal já preparem os perfis falsos nas redes e os discursos de ódio prontos e vazios.  

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Quem são os tarados?

Reprodução parcial da página do Gregório na Folha SP. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/colunas/gregorioduvivier/2017/10/1923414-toda-nudez-sera-castigada.shtml

Gostei do posicionamento do Gregório Duvivier em seu artigo para a Folha de São Paulo! Cito abaixo o trecho inicial:

"Um artista nu permite que espectadores manipulem suas articulações. Uma criança, acompanhada da mãe, toca no seu pé.
Sugiro às pessoas que viram erotismo nessa cena que procurem tratamento psicológico. Amigo, você sofre de alguma doença grave: ou tem tesão em crianças, ou tem tesão em pés, ou tem tesão em crianças tocando em pés. Ou é pedófilo, ou podófilo, ou pedopodófilo[...]".

É assustador ver para onde caminha a (falta da) cultura e educação de qualidade no Brasil. Estamos voltando no tempo, passando já das fogueiras da Inquisição e indo em direção aos tempos que, ainda pelados e peludos, nos matávamos usando paus, pedras e pedaços de ossos de animais que comíamos crus, na escuridão de nossas tocas. 

sábado, 30 de setembro de 2017

Desagravo a Elisabete Finger

A artista, coreógrafa e pesquisadora Elisabete Finger. Fonte da imagem: Google.

Mais um post odioso cai em meu Facebook. Dessa vez, após a repercussão do vídeo da mãe interagindo junto com uma criança (sua filha) com um artista durante performance acontecida no MAM-SP, que gerou comentários grotescos e ignorantes de ódio e recriminação, um jornal resolve atacar e expor a mãe. Está aberta a temporada das fogueiras! Queimem tudo. De livros a pessoas. Em nome de um de algo que alguns radicais chamam de cultura. Que cultura?

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Censura ou bom senso?

Reprodução de post no Facebook. Fonte original disponível em: http://www.ilisp.org/noticias/museu-de-arte-moderna-de-sao-paulo-faz-exposicao-onde-criancas-tocam-homem-nu-veja/

Vídeo postado no Facebook gerando comentários revoltados e, como sempre, polarizados. No vídeo postado no site Ilisp.org, uma criança com outro adulto, toca no corpo nu do coreógrafo Wagner Schwartz. que está deitado, inerte, no chão do espaço onde acontece a performance intitulada La BêteA maioria dos comentadores pergunta se isso é arte ou lixo. Na verdade ja afirmam e condenam como lixo. Mas a pergunta que proponho aqui não é discutir se se trata de arte ou não. Mas sim o que é censura, quando ela deve ser aplicada e se ela deve ainda existir, na forma da legislação atual. Diversos tipos de restrição, principalmente em relação às manifestações artísticas, ainda existem no Código Civil e na Constituição.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Igualdade e equidade: resumo da ópera em 10 atos...


Leio no Fronteiras do Pensamento um artigo do economista Thomas Piketty (que pode ser lido aqui), falando sobre a persistência da desigualdade de renda entre 2001 e 2015. Pincei do texto dez constatações dos autores do estudo que proporcionam uma visão lúcida do porquê, mesmo após 15 anos de políticas sociais alardeadas como o meio de acesso a um país com distribuição de renda justa e equilibrada e erradicação da pobreza, nos encontramos na mesma situação de quase duas décadas de sua implantação:    

1 - A maior parte do crescimento econômico neste século foi apropriada pelos 10% mais ricos da população;
2 - Esses 10% mais ricos ampliaram sua participação na fatia da renda nacional em 1% passando de 54,3% para 55,3% de 2001 a 2015;
3 - A participação da renda dos 50% mais pobres também subiu 1 ponto percentual, passando de 11,3% para 12,3%.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Desigualdades, obscenidades, elites e super elites...

Indígena tenta impedir reintegração de posse no AM. Foto vencedora do Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos. Luiz Gonzaga Alves de Vasconcelos/ Jornal A Crítica (2008).

Artigo lúcido do Sakamoto em seu blog. Mas chamo à atenção uma frase: "As recomendações do relatório para reduzir esse quadro sinistro passam por uma Reforma Tributária com justiça social ..."

Justiça social é algo muito além de reformar apenas a política tributária. Porque cobrar mais de quem ganha mais e isentar quem ganha menos é justo, mas insere no problema da desigualdade a noção de duas justiças sociais. Na verdade temos várias "justiças sociais" no Brasil. Que alimenta séculos de desigualdade.Como o autor fala mais adiante, o necessário seria necessário "que houvessem botes salva-vidas para todos". Isso é justiça social.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Desigualdade de distribuição de renda: curiosidades e coincidências...

Na montagem: gráficos comparativos da desigualdade de distribuição da desigualdade de renda entre alguns países. Fonte: https://www.nexojornal.com.br/grafico/2017/07/31/A-evolu%C3%A7%C3%A3o-da-desigualdade-de-renda-no-Brasil-e-no-mundo
Pesquisando em um site, me deparei com gráficos interessantes sobre a desigualdade de distribuição de renda entre alguns países no mundo. Indo mais além, resolvi pesquisar em dados disponíveis em sites das Nações Unidas, as condições econômicas e indicadores sociais e financeiros de alguns países que escolhi para ilustrar esse post. O que me intrigou foi a semelhança de perfis. Primeiro entre dois países com os melhores índices de Gini, porem com PIB's, renda per capta e populações bastante contrastantes como a Noruega e a França. Depois comparei economias tão diversas e díspares como os EUA, a maior economia do planeta, e demais países como o Haiti, que atualmente ocupa os últimos lugares nos diversos índices de desenvolvimento e riquesas.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Daiyo-kangoku!

Fonte da imagem e texto original do blog disponível em : http://www.whatsdiario.com/2017/09/prisao-no-japao-relato-de-um-brasileiro.htm
Daiyo-kangoku! - Ou porque a criminalidade no Japão é baixa, a segurança é alta e as pessoas são educadas, respeitadoras das leis e trabalham duro...
Recebi esse artigo em minha timeline do Facebook, que pode ser lido clicando aqui. Em princípio pensei se tratar de mais um blog sensacionalista, criado para receber visitas e hits em anúncios. Pelo depoimento do "tal brasileiro que é amigo de um policial", achei a coisa toda meio fantasiosa.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Participação nos lucros e meritocracia: crime e castigo...

Empregados da AppNexus, nos escritórios de NY. A companhia retirou a estrutura de bônus salariais de alguns trabalhadores e usou os recursos para aumentar os salários mensais básicos de toda a equipe. Crédito da imagem: PHILIP MONTGOMERY FOR THE WALL STREET JOURNAL

Bom dia! Leio no Wall Street Journal essa manhã: a tendência para as políticas de remuneração de funcionários, nas empresas inseridas nos mercados onde o desemprego anda em baixa – por favor excluam nossa economia falida e desemprego estratosférico dessa realidade – será mudar o foco dos gastos com bônus de incentivo a seus trabalhadores. As pesquisas demonstram que esses empregadores, diante da perspectiva de menor crescimento dos lucros para os próximos anos, querem manter seus orçamentos em níveis conservadoramente baixos.

domingo, 17 de setembro de 2017

Viver no global, agindo no local...

Reprodução de página do blog "Outras Palavras" onde está publicado o artigo "Os desafios cruciais da era Uber" disponível em http://outraspalavras.net/capa/os-desafios-cruciais-da-era-uber/

A visão dos autores dos livros e artigos citados nesse texto são de certa forma pessimistas em relação ao futuro do trabalho e emprego, como conhecemos hoje. Realmente, se não houver uma mudança em cada indivíduo, em relação a seus hábitos de consumo - e isso inclui o consumo consciente, ético e sustentável - bem como mudanças na forma como estamos organizando as relações familiares, as relações de vizinhança em nossas comunidades e as comunidades em relação às suas pátrias, não haverá mudanças, só um futuro bastante sombrio com mais desigualdade e pobreza do que já vemos hoje. Cito abaixo um trecho do texto do link:
"Como podem os cooperativistas de plataforma esperar que a população rompa seus hábitos de consumo, em favor de empresas que podem, ao menos em seu início, ser mais lentas e mais custosas?"
Para repensar as nossas relações com o outro, precisamos repensar nossas relações com a urgência do consumo e a pressa de viver, que nos é imposta justamente pelo sistema global cada vez mais concentrado em mega corporações, que nos impele a um ritmo de vida que os favorece. é a velha máxima de criar dificuldades pra nos vender facilidades...

sábado, 16 de setembro de 2017

Por que seu selfie com comida me causa vergonha...

Na foto: Um homem ajuda uma mulher obesa a se alimentar, diante de uma mesa repleta de comidas calóricas. Fonte: http://www.myproana.com/index.php/gallery/sizes/29928-funny-fat-people-pictures-2/large/


Fo publicado ontem pela FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations), o relatório A Situação da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo. Pela primeira vez, os dados foram compilados e apresentados conjuntamente por mais três organismos internacionais: IFAD (International Fund for Agricultural Development), UNICEF (United Nations Children’s Fund) e WFP (World Health Organization).  E as perspectivas não são animadoras.

A insegurança alimentar e a subnutrição, depois de um breve período de declínio, entre 2014 e 2106, voltaram a aumentar. A taxa foi de 10% entre 2016 e 2017. Hoje, segundo o relatório cerca de 11% da população mundial se encontra em risco de nutrição ou estado de fome. Desse total, cerca de 30% ou mais de 200 milhões de pessoas são crianças abaixo de cinco anos de idade. Afetadas pela desnutrição. Muitas delas em estado de crescimento subnormal.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Arte financiada é realmente livre?

Na imagem: Frame de vídeo do jornalista Sidney Rezende comentando sobre a polêmica exposição do Santander. Disponível em http://www.srzd.com/colunas/sidney-rezende/sociedade-opcao-censura/
Sobre a polêmica exposição, vou me posicionar apenas sob um aspecto. Pessoal e privativo de meu direito de livre pensar. Tenho batido nessa tecla já não sei mais quantos anos ou décadas. Quanto ao valor, como arte, direito de expressão do artista, limites (se são necessários ou cabíveis), deixo aos "experts" no assunto. Afinal, como artista e arte-educador, me acho sempre ignorante. No sentido em que enquanto estiver vivo, não vou saber tudo e vou aprender até sessar minha existência. Mas vamos ao ponto:

domingo, 10 de setembro de 2017

Alices ou Rainhas de Copas?

Na foto-montagem: malas de dinheiro achadas em apartamento de político investigado por corrupção e cena do filme Alice no País das Maravilhas, com a personagem Rainha de Copas, de Tim Burton. Fonte: google. 



As malas do Gedel estão gritando. As Alices perplexas. E as Rainhas de Copas começam seus gritos histéricos pedindo que cortem as cabeças. Em poucos dias tudo cessa. E os coelhos malucos voltam a fazer piruetas. O Brasil é um grande País das Maravilhas. Melhor que o conto original. Nem o próprio Lewis Carroll poderia imaginar um local e personagens tão bizarros.

Mas o que se ouve nos gritos das caixas de dinheiro aprisionadas em um discreto apartamento em Salvador? Tudo depende dos ouvidos onde os sons - alguns altos; outros, simples marulhos – conseguem alcançar. Haverão as alices que se recusarão a perceber a realidade, achando que ainda estão sonhando. E muitas rainhas-de-copas se levantarão, aos berros cacofônicos, pedindo cabeças que rolem na ladeira do onde o país também patina, rumo ao precipício.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

A mulher de Cezar é honesta ou só deve parecer honesta?


Ticiane e Joesley Batista no dia do casamento. Fonte: http://www.metropoles.com/brasil/politica-br/as-inconfidencias-mais-picantes-de-joesley-to-a-fim-de-comer-duas-velhinhas

Sem generalizar... não são todos os empresários que são venais e corruptos com esse aí. E não são todas as mulheres bonitas e desejadas que são burras e interesseiras como a mulher dele. Pelo conteúdo das gravações, o canalha pelo menos, parece ser sincero ao isentar a esposa. Em dado momento diz que não sabe como vai falar a ela que ele não prestava. jogo de cena? Quer livrar a cara dela perante a justiça? Pode ser também. Se for verdade o que ele diz, ela entrou de gaiata.

domingo, 3 de setembro de 2017

Aviso aos Navegantes...

A luz de um novo dia em Saturno ilumina as nuvens onduladas do planeta e os arcos transparentes de seus vastos anéis. Fonte da imagem: https://www.nasa.gov/image-feature/jpl/pia21336/dawn-s-early-light




O Universo (e a Natureza inerente a ele) tem regras. E elas não podem ser quebradas. O homo sapiens sapiens é o único animal no universo que se acha capaz de quebrar essas regras – ou de outra maneira – iludir o curso da Vida. Se há outras espécies, além do homem, que julgam poder fazê-lo, essas ainda não são conhecidas. Não por coincidência, também é o homem a única espécie conhecida que tem conseguido com um sucesso espantoso, degradar seu próprio meio ambiente, pondo em risco não apenas sua existência, mas a de todo um eco sistema. É também curioso observar, até onde sabemos no momento, que se trata da única espécie que tem a consciência de sua própria mente. O que, ao contrário do que seria esperado, não nos tem ajudado muito a sobreviver no ambiente cada vez mais hostil que nos circunda e que é, em parte, criação desta mesma consciência.

sábado, 2 de setembro de 2017

Conexões em tempos de cólera...


Estudo interessante, mas não se trata de nenhuma novidade. O curioso é que começou a 75 anos passados. Quando éramos, apesar da escassez dos meios de comunicação, mais conectados e próximos. Trazido até o presente, cai como uma luva para definir a forma como nos relacionamos e entendemos as amizades em tempos de redes sociais. Fala do egocentrismo que, talvez em virtude dessa frustração causada pela falta de relacionamentos autênticos, tem se exacerbado em nossos corações e mentes.

Ritual de onanismo...


A quem interessa a polarização da discussão sobre a violência? O assunto é polêmico e pedradas são esperadas. Todas e todos conhecem minha postura frente ao machismo e a violência de gênero. Em relação ao caso em voga nas redes sociais, é evidente: mais uma vez ouve descaso da Lei. Não ha o que discutir. Mas na verdade há muito a ser repensado. E relativizar não adianta. Particularizar não resolve. Se for pra relativizar, poderia ser dito que em virtude das centenas de mulheres que recebem em suas faces socos, bofetadas, ácido, facadas, tiros e outros tipos de agressão não física, uma ejaculada no pescoço é o de menos. Menor potencial ofensivo, no jargão da lei.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Tristes trópicos...

Na montagem: D Pedro II, o último Imperador do Brasil e os cinco últimos execráveis presidentes brasileiros.
O Brasil tem a sina de valorizar o que não presta. Aqui não se pode ser bom, ou ético. Ser culto ou obter reconhecimento por uma carreira baseada em estudo, talento ou reconhecimento internacional basta para fazer do cidadão um saco de pancadas. Na data de hoje, há exatos 129 anos D. Pedro II, retornava ao Brasil, depois um período de doença grave, que o fez procurar tratamento na Itália. Um anos depois trocaríamos um Imperador genuinamente brasileiro por uma sucessão de canalhas. Na imagem acima, aparecem os cinco últimos. De que reclamamos hoje? Se ouve um golpe no Brasil, aconteceu em 15 de novembro de 1889. Depois de, mesmo gravemente enfermo, retornar ao Brasil, D Pedro II só pode ficar pouco mais de um ano no governo. Em 1889, foi deposto, na farsa da proclamação da república. República de Bananas. Segue abaixo um trecho de sua vasta biografia:

domingo, 20 de agosto de 2017

Casa viva não é Casa Claudia...

Créditos da imagem: Marcelo Ruiz (2017)

Entre o ser e o ter fico com o primeiro! Casa viva é casa com livros espalhados em todos os cantos possíveis. Casa viva não é a casa da estéril da revista de decoração. Não é a casa cheia de objetos, bugingangas tecnológicas e sofás caros. Casa viva é onde se respira cheirinho de livro! Onde se vive cultura e saber. Onde a ostentação é substituída pela tentação da leitura. O conforto do conhecimento. E as casas de hoje, como as pessoas, só querem pretendem viver de ostentação. De uma beleza vazia de sentido. De saber. Casa viva é a casa da Claudia...

Uma singela homenagem à minha amada companheira Ana Cláudia, que por tantos anos, nutre o ninho com letras e afetos!

Tragédia anunciada no País de Bosta...

Os compartimentos de bagagem de mão das aeronaves foram projetados para as novas regras de bagagem impostas pela ANAC em favor das companhias aéreas brasileiras? 


Um acidente grave está só espreitando a conjuntura certa de eventos para acontecer. Ontem, vindo de Brasília para o Rio pela GOL (Grande Ônibus Lotado), eu e outros passageiros que embarcaram por último tivemos problemas para acomodar nossas bagagens de mão. Eu estava na fileira 26 (cauda) e no compartimento sobre minha fileira de assentos, não havia mais espaço para acomodar uma simples mochila de notebook e uma case de câmera fotográfica pequena. Reclamei com um comissário grosso e mal educado e ele, em síntese, mandou eu me virar. Disse pra eu procurar na frente da aeronave, que ainda poderia ter espaço. Além de ter que atrapalhar quem ainda estava entrando, pois tive que voltar em sentido contrário, só fui achar uma vaga nem um compartimento na altura da fileira 8. Note-se: esse compartimento não estava vazio, mas restava algum espaço.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Com o olho no cano da arma...

O projeto Jaque & Antônia, narra a aventura de duas amigas que resolveram viajar o Brasil em uma Kombe usada e adaptada. A página oficial do Facebook pode ser acessada aqui.

Leitura interessante repassada por uma amiga. Está no blog "Papo de Homem" e pode ser acessado clicando aqui. Mesmo fazendo parte do time dos que incentivam as companheiras e dão todo o espaço que precisam e merecem, nesse projeto bem específico, entendo a falta de apoio do namorado. Embora escondendo a subjetividade do medo da liberdade da amada, tem algo real. Como está no texto: "A reação veio em forma de desencorajamento. Perigos na estrada, incapacidade e vulnerabilidade foram alguns dos argumentos usados para desmotivá-la".
 
Sim existe um código de conduta atávico no macho de várias espécies. Proteger a fêmea e as crias. No homem deu origem, em algumas culturas, e indivíduos ao machismo. Outra observação que eu faria sobre o texto: essa noção de um "privilégio do dano e do sofrer"; que não é exclusivamente feminino: "É nocivo para nós, mulheres, obviamente, mas também pode ser uma prisão para quem leva a carga nas costas, às vezes por uma vida inteira. " Para além do gênero, sempre que falo sobre a necessidade do engajamento de homens e mulheres na causa da igualdade, gosto de ressaltar: há danos não apenas pela "carga"de ser machista. Existe o componente machista sim, no discurso de muitas mulheres, feministas ou não. Os danos, nesse caso são invertidos. Quantas mulheres não apoiam seus companheiros por medo de vê-os livres e acabam sofrendo muito com isso?


No caso específico dessa aventura da Kombi, que eu acompanhei no blog delas, mesmo sendo um feminista, colocaria muitos obstáculos se ela fosse minha companheira. O medo real, de perigos reais, nesse Brasil sem lei e ordem é concreto. E ninguém quer perder o ser amado! Se essa história fosse em algum país civilizado, com certeza eu não só apoiaria como iria junto. Não se se me faço entender. Mas se minha companheira quisesse pegar uma Kombi velha para viajar sozinha, nesta terra de mer** (desculpem o termo), eu ficaria desesperado.

Mais ou menos como ver alguém que nuca manuseou uma pistola automática (porque quem sabe nunca faria isso) e colocar o olho no cano da arma. So pra ver o que tem dentro (e muitos fazem isso acreditem). A primeira reação, de quem conhece o perigo, é puxar a arma da mão do incauto. Nesse caso, a pistola é mais segura para se olhar o cano. Retirado o pente, armando duas vezes por segurança para tirar a bala da agulha e olhando a câmara, para se certificar que está vazia, já permite que se olhe o cano, para limpar, para lubrificar ou retificar. A viagem de Kombi, nesse faroeste caboclo, infelizmente não tem pente à ser retirado e nem culatra para ejetar a bala da agulha. Ela está sempre lá, esperando um incauto olhar seu cano de frente.

Grande abraço! 

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Vai na paz Pérola Negra, mas ainda era cedo...

A cantora Karinah numa bela interpretação de Pérola Negra com participação do Luiz Melodia, a gaita sofisticada de Rildo Hora e Ricardo Silveira na guitarra acústica. Gravado em 2016 no Estúdio Corredor 5. Engenheiro de Som: Rodrigo Vidal.  

É brother, você se foi, assim de surpresa. Mas você sempre foi assim né? Surprendente, disruptivo, contestador e irreverente. Vai na paz pérola negra e rara da MPB autêntica e multifacetada que você ajudou a divulgar. E agora quem vai desafiar tanta gente que sofre por suas Marlenes?


Tente passar pelo que estou passando
Tente apagar este teu novo engano
Tente me amar pois estou de amando

Puxa cara! Você nem avisou pra gente que estava passando por isso tudo. E se avisou, não fiquei sabendo, talvez por distração ou ignorância, porque você disse que "tinha sete vidas para viver. Mas vou tentar apagar esse engano deixando essa mensagem aqui pra você.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Uma Proposta Modesta. Ou, que vai pagar o prejuízo.

#pracegover Composição contendo três retângulos simulando as cores da bandeira francesa.No retângulo azul está a imagem da radiografia do menino Arthur baleado na barriga da mãe com a pergunta: a liberdade é azul? No retângulo branco ao centro a imagem da capa original do livro Uma Proposta Modesta com a pergunta: a igualdade é branca? No retângulo vermelho a imagem da mãe de Arthur fazendo uma selfie da barriga de gestante e a pergunta: a fraternidade é vermelha? Crédito da montagem: Marcelo Ruiz  com imagens disponíveis na web.

Morreu hoje, neste Rio de Janeiro, sitiado por uma guerra civil nunca declarada, o menino Arthur. Foi o primeiro, não foi e nem será o último. Um dia depois, em outro bairro, morreria outro Arthur também dentro do ventre de sua mãe.  Parece uma inacreditável e macabra coincidência. Mas não é.  Nessa cidade, dominada por um terrorismo mais cruel que o existente em diversas partes do mundo, mata-se e morre sem explicação cabível. Não que deva haver explicação que justifique uma guerra. Qualquer guerra.

Mas pelo menos em outras guerras civis, reconhecidas como tal pelos governos dos países em conflito e pelas Nações Unidas, grupos de mediação, observadores isentos, forças de ocupação de paz, tentam entender o que acontece para sessar o conflito.

sábado, 29 de julho de 2017

Ana Hickmann é vítima, mas não é melhor que ninguém.

Fonte da imagem: http://www.reportermaceio.com.br/urgente-ana-hickmann-e-alvo-de-atentado-em-bh-atirador-morre-em-quarto-de-hotel/




O Brasil está mergulhado numa situação de caos, terror e todos os tipos de violência, como a que se sucedeu com a apresentadora. Felizmente ela teve sorte e escapou com vida. Independentemente de sua situação social e financeira, o trauma é grave e difícil de superar. E infelizmente acontece diariamente com outras pessoas, sobretudo com mulheres pobres e em situação de negligência e desassistidas pelas políticas publicas de bem estar e igualdade. Mas o desenrolar dos fatos mostra outras discrepâncias na forma como a sociedade, a mídia e o poder público tratam dessas questões. A polarização se dá em torno de circunstâncias que afastam convenientemente (para o estado e a sociedade omissos), a discussão do cerne do problema da violência e da desigualdade. 

El perro de La Chascona...

Descrição da foto: um cão labrador mestiço descansa deitado na calçada em frente à casa do poeta Pablo Neruda. Créditos da imagem: MarceloRuiz - Santiago do Chile (set/2015).

Nada na vida te prepara para certas perdas.
Se te disseram isso, lamento, mentiram. 
Por mais que vás viver,
Sem que nada de muito ruim te aconteça, 
Esse viver vai tornar teu coração tão duro, 
Ao ponto de sublimar certas coisas. 
Só não aceite, que te empurrem goela abaixo,
Que tens que ser forte. 
Que é preciso suportar e seguir em frente. 
Não és pedra. 
Te fizeram carne e sentimentos. 
Não uma massa de células e músculos e órgãos,
Que resiste a tudo e passa por cima de tuas emoções. 
Quedar-se em sofrimento e desistir da luta. 
Não é vergonhoso o tanto te disseram sempre. 
Desistir da vida e parar com tudo. 
Talvez seja a maneira justa e certa. 
Afirmar a ti mesmo, senão ao mundo, 
Que és, acima de tudo, amor e sentimentos. 
E por puro livre arbítrio,
Diz que recusas ser a pedra. 
Pela qual te tomaram. 
Ou tentaram te fazer crer a vida inteira. 
Pois entendes que mesmo as pedras, 
Chegam a termo e viram pó. 
Se deixar ficar pode ser a maneira. 
De permanecer para sempre. 
Em emoções e lembrança.


Dedicado a Dona Ana Lucia Kist, com carinho e gratidão! 

terça-feira, 25 de julho de 2017

A grana que você gera (e gasta) clicando em bobagens!


Caros leitores, acho que a grande maioria de vocês, que interagem nas redes sociais nunca viram essa imagem acima. A não ser que trabalha com mídias, comunicação e marketing digital. Trata-se da impressão de tela de parte do relatório de um negócio (literalmente) chamado AdSense que pertence ao Google. Mais especificamente falando, do meu relatório do AdSense, Apesar de ser um dado confidencial meu, como nada tenho a esconder, posto aqui para vocês verem. Por quê faço isso?

domingo, 23 de julho de 2017

Demolidor de Memes I


Demolidor de Memes I

Assunto: Gasolina exportada à preço menor que o das bombas do Brasil.
Categoria: Mal intencionado!
Motivo: induz o leitor a clicar e compartilhar para hits para o site que postou, com isso aumentando o ganho pago pelo Google. Divulga informação tendenciosa contribuindo para afastar o leitor do foco do problema “denunciado” pela publicação.


Apesar do fato parecer absurdo, está economicamente correto. O erro aqui está em ter que refinar tanto petróleo e ao mesmo tempo fazer o refino. Por dois motivos:. Mas antes vamos ao porquê de ser mais econômico do que simplesmente queimar a gasolina que sobra. No Brasil, apesar de termos farta energia não poluente (hidrelétricas, sol abundante para gerar energia pela luz e um grande litoral onde venta e poderíamos instalar usinas eólicas, queimamos muito combustível fóssil.

terça-feira, 18 de julho de 2017

Para meu polegar...

Na foto: pimenta dedo-de-moça, vermelha, sobre fundo preto. Créditos da imagem: Marcelo Ruiz, RJ-2016


Fui homem de poucos enamores, tão poucos, que me bastam os dedos das duas mãos, para contar-lhes. E lhes conto meus amigos, sobraram ainda dedos. Desses dedos ocupados por essa conta, em uma das mãos cabem as que me relacionei de forma mais séria. Foram duas noivas, no mindinho e no anular. Mais três esposas, que ficaram com o médio, o apontador e o polegar. Sim, fui prolífico em casamentos, porque faltava o polegar. Dizem os científicos que o polegar opositor foi o que nos diferenciou, do resto das espécies. Um único dedo, que colocado em posição diversa, do resto dos seres viventes, nos fez tão humanos. E desumanos.